sábado, 20 de novembro de 2010

"... bem o conheço. num espelho de bar, numa vitrina, ao acaso do footing, em qualquer vidraça por aí, trocamos às vezes um súbito e inquietante olhar. não, isto não pode continuar assim.
que tens tu de espionar-me? que me censuras, fantasma? que tens a ver com os meus bares, com os meus cigarros, com os meus delírios ambulatórios, com tudo o que não faço na vida!?"


M.Q.
.

A espreita

"Não dou chance
ao fortuito fantasma
que me acompanha
(e que sou eu mesmo).
Vive a me espionar.
Espera o momento
em que eu baixe a guarda.
Pensa descobrir
o que não quero revelar.
(Vai cansar…)
Seu olhar, fixo em mim,
eu finjo não perceber.
Ele se finge casual…
Mas não é!"
 
 
 M.Q.
.
"Memórias desaparecendo como uma camada de neve derretida em semanas de idade.
A faca mais afiada que existiu, ou existe.
Os corações humanos nunca são claros. 
Incompreensíveis
Perseguimos fantasmas que desaparecem rapidamente.
Bem, eu persigo."



.

"Não fui, na infância, como os outros
e nunca vi como outros viam.
Minhas paixões eu não podia
tirar de fonte igual à deles;
e era outra a origem da tristeza,
e era outro o canto, que acordava
o coração para a alegria.

Tudo o que amei, amei sozinho.
Assim, na minha infância, na alba
da tormentosa vida, ergueu-se,
no bem, no mal, de cada abismo,
a encadear-me, o meu mistério.

Veio dos rios, veio da fonte,
da rubra escarpa da montanha,
do sol, que todo me envolvia
em outonais clarões dourados;
e dos relâmpagos vermelhos
que o céu inteiro incendiavam;
e do trovão, da tempestade,
daquela nuvem que se alteava,
só, no amplo azul do céu puríssimo,
como um demônio, ante meus olhos."


Edgar Allan Poe



.

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

'Porque eu sou a primeira e a última
Eu sou a venerada e a desprezada
Eu sou a prostituta e a santa
Eu sou a esposa e a virgem
Eu sou a mãe e a filha
Eu sou os braços de minha mãe
Eu sou a estéril, e numerosos são meus filhos
Eu sou a bem-casada e a solteira
Eu sou a que dá à luz e a que jamais procriou
Eu sou a consolação das dores do parto
Eu sou a esposa e o esposo
E foi meu homem quem me criou
Eu sou a mãe do meu pai
Sou a irmã de meu marido
E ele é o meu filho rejeitado
Respeitem- me sempre
Porque eu sou a escandalosa e a magnífica.'

 
 
Hino a Ísis, século III ou IV (?), descoberto em Nag Hammadi



.

domingo, 17 de outubro de 2010

"- Ela parece distante, talvez seja porque está pensando em alguém.

- Em alguém do quadro?

- Não, um garoto com quem cruzou em algum lugar, e sentiu que eram parecidos.

- Em outros termos, prefere imaginar uma relação com alguém ausente que criar laços com os que estão presentes.

- Ao contrário, talvez tente arrumar a bagunça da vida dos outros.

- E ela? E a bagunça na vida dela? Quem vai pôr ordem?"



O Fabuloso Destino de Amélie Poulain


.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

"Mais que lembranças, o que eu guardo de ti dentro de mim é algo indescritível e imortal, desde que resolvemos nos suportar de boa forma e dissemos que seria pra sempre mesmo se acabasse, eu me lembro. Esses eram tempos que eu acordava com vontade de respirar e me sintonizava a estação do teu pensando tentando adivinhar a qual hora do dia eu poderia te encontrar, eram bons tempos. Agora tudo o que eu presencio é um silêncio teu que não me deixa te dizer nada, falar eu até posso, mas quem me garante que você vai me ouvir, gritar? Nem pensar, tenho que admitir. Mas para. Antes que eu pare de achar que eu ainda existo pra ti, e que ainda se importa com o que eu posso ou não escrever, só pra não te esquecer, jamais. Você sabe mais do que ninguém o que eu tenho em mente, é, você acertou."



Adiós Ilusion

.

domingo, 10 de outubro de 2010

"Eu sou uma pessoa excitável que só entende vida liricamente,
musicalmente, em quem sentimentos são muito mais fortes que a razão.
Eu estou tão sedenta para o maravilhoso que só o maravilhoso tem poder sobre mim.
Qualquer coisa que eu não possa transformar em algo maravilhoso, eu deixo ir.
Realidade não me impressiona. Eu só acredito em intoxicação, em êxtase,
e quando vida ordinária me algemar, eu escapo, de uma maneira ou de outra.
Nenhum muro mais."



Anaïs
 
 
.

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

"Eu gostaria de ir embora para uma cidade qualquer, bem longe daqui, onde ninguém me conhecesse, onde não me tratassem com consideração apenas por eu ser “o filho de fulano” ou “o neto de beltrano”. Onde eu pudesse experimentar por mim mesmo as minhas asas para descobrir, enfim, se elas são realmente fortes como imagino. E se não forem, mesmo que quebrassem ao primeiro vôo, mesmo que após um certo tempo eu voltasse derrotado, ferido, humilhado - mesmo assim restaria o consolo de ter descoberto que valho o que sou."




-Caio Fernando de Abreu
 
 
 
.

terça-feira, 5 de outubro de 2010

'Antes, todos os caminhos iam.
Agora todos os caminhos vêm.
A casa é acolhedora, os livros poucos.
E eu mesma preparo o chá para os fantasmas.'



-M.Q.



.

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Invictus.

"Do fundo desta noite que persiste
A me envolver em breu - eterno e espesso,
A qualquer deus - se algum acaso existe,
Por mi’alma insubjugável agradeço.

Nas garras do destino e seus estragos
Sob os golpes que o acaso atira e acerta,
Nunca me lamentei - e ainda trago
Minha cabeça - embora em sangue - ereta.

Além deste oceano de lamúria,
Somente o Horror das trevas se divisa;
Porém o tempo, a consumir-se em fúria,
Não me amedronta, nem me martiriza.

Por ser estreita a senda - eu não declino,
Nem por pesada a mão que o mundo espalma;
Sou eu o senhor do meu destino;
Sou eu o capitão da minha alma."




-William Ernest Henley



.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

..minha dor psicológica perdeu a lógica,
por isso ponho em prática doideras neurológicas..
Não sabe do que eu falo? São apenas idéias que intercalo.
Poderiam dizer você.


                                 " A falta de visão que nos levou a tudo isso,

                                              foi tão difícil de se acostumar.
                                  Só quero olhar para frente e esquecer você,
                                                      saber o meu lugar. 
                                             (...) E se você não quiser, ouvir;
                                       As canções já não me dizem mais nada,
                                                          poderiam dizer.
                                     Preciso te lembrar como tu era no início,
                                               era um vício difícil de deixar.
                                      Procuro em tanta gente um espelho teu,
                                                não vejo nada, não vejo nada.
                                          Tentando ser o que eu não era mais,

                                            Eu me vi escondido em um mundo
                                                        que você criou;
                                          E nunca mais voltou para me libertar.
                E eu que não sei, aonde chegar, já caminhei tanto pra encontrar.
                      E eu que não sei, como te falar já escrevi tanto pra cantar."

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

(. . .) É de minha responsabilidade não ficar triste, não deixar ninguém me magoar, não deixar que nada de ruim me aconteça porque você me ama e não aguentaria. Claro que me cuido, nem precisava pedir. Te cuida, dissera ele. E eu ouvi como se fosse um te amo."




.

domingo, 29 de agosto de 2010

- Eu fico me perguntando às vezes se vai ser sempre assim. Esses sentimentos... Essas sensações... Essas pessoas... Essa angústia. Essa sensação de sobra de espaço. Falta algo , falta alguém. Esse incrível dom de amar o apático.


- Dom, bela palavra para descrever porque sentimos tais coisas. Pode ser apenas dom mesmo, predestinação. Parecemos estar mesmo predestinadas a gostar do efêmero, não gostar, mas sermos inevitavelmente atraídas por ele. Atração, existe?

- Não sei, acho que sim. É assim que tudo começa não é? Por isso mesmo cansei de começos, cansei de fins. Se é inevitável, fica difícil. Eu não queria me tornar amarga , fria . Não queria ter em mim essa apatia repugnante. Mas de que outra forma evitar ? A descrença e a falta de coragem, e a sobra de experiências mal resolvidas, mal sucedidas, só levaram consigo aquilo que eu chamava de esperança. Dói. Não é fácil viver por viver, não queria ser covarde, queria poder acreditar no amor. Ilusão. Não sei se vale à pena ter certeza, falta algo, eu sei, mas dói menos.

- Na verdade eu vivo perdendo. Perdendo palavras. Perdendo pessoas. Perdendo tempo. Ele vai, volta, volta, vai. Isso definha aos poucos. Sempre falta algo, Liz. Sempre repleta de minhas poucas amigas sinceras. Tão parecidas comigo. Você é parecida comigo. Sempre com medo de nos tornarmos frias, amargas, apáticas. Essa intensidade que nos consome, que nos trai. Logo perturbando nossas mentes com idéias insanas. Tudo tão irreal.

-Perder. Já me acostumei, mas isso não faz com que doa menos. Supero com mais facilidade , mas eu sempre fico com a sensação de que tudo que vai , deixa maturidade, ainda que leve um pouco de mim. Somos muito parecidas, mesmo. Basta uma frase pra desvendarmos e entendermos todo nosso contexto. Somos intensas demais Thamara, queremos nos apegar ao que nos parece agradável. Acho que é o que nos faz doer. Sentimos, logo nos entregamos. Verdadeiramente, sentimos. Não ficamos criando fantasias, romances onde só existe ilusão, falta de essência , excesso de futilidade . Não há necessidade em ser algo que não somos só pra usar pessoas como válvula de escape pro tédio .Se dizemos é porque sentimos, nem sempre esperando reciprocidade. E de tudo isso,fica uma certeza. Um cansaço. Uma descrença. Dois cigarros, um pra mim, outro pra você. E uma vontade de ir, de não procurar, de ser encontrada. Um Adeus.

-Um Adeus.




.Palavras trocadas entre mim e Lizandra.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

'I am the master of my fate. I am the captain of my soul.'

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

"Mesclando conversas, situações, desentendimentos e até mesmo a minha constante ausência de capacidade de me explicar eu vou construindo, se não uma justificativa, um consolo àqueles que ficaram em suspenso, sem entender qualquer atitude ríspida, qualquer tom de desprezo que por algum momento eu possa ter lhes atingido....
Associação rápida, pode ser minha primeira desculpa: Tenho conceitos formados de tons, palavras, olhares e desvio de olhares. Tenho passado e por vezes passo por dejavus em situações que a vida me coloca. Tem hora em que eu não preciso continuar, nem quero.
Não penso que preciso estar de bem com todo mundo, nem tenho medo da solidão, não fico ao lado de gente que não me agrada e nem me acrescenta coisas boas por motivo algum.
Sou feliz pelas pessoas que já pude conhecer e me alegro a cada novo ser que aparece em minha vida, a cada sorriso mesmo que por interesse que eu receba. Digo isso, pois minha maior paixão é o outro, está em descobrir quem vive atras de um charme artificial, achar um ser humano dentro do ser urbano e tentar me achar nessas buscas também.
Eu não preciso a principio da verdade, me basto com histórias quase reais, me satisfaço com conversas sem sentindo das palavras, mas com todos os outros sentidos e sentimentos. Eu apenas não sei brincar do lado de fora. Talvez seja essa a minha resposta àqueles com os quais eu não pude ser doce, com aqueles que eu não consegui ser eu.
Eu gosto de problemas, não ligo para a dor, eu só não sei viver na futilidade e vulgaridade (entendendo essas duas palavras no sentido mais amplo que possa haver). Quando alguém se apresenta assim e me propõe coisas assim receberá por certo uma patada. Porque de gente fútil e vulgar não há profundidade onde eu possa me mostrar, ou se há, não há tempo. Eu não disponho de tempo nem paciência para isso.
Eu acho graça em quem sabe se explicar, explicar o que sente, o que não se quer sentir, sem entender que jamais sentiu coisa alguma que valha.
Quem explica está consciente, mas oras, o sentimento não é racional. Não pode ser!
Nessas pessoas eu perco tempo, nelas eu vejo brilho, elas tem tanta sede da perfeição que jamais provam uma gota sequer da felicidade por medo de não ser a hora certa. Eu já não sou mais tão inocente de crer que vou alterar esses ideais tão inflexíveis, me aproximo mesmo para tentar compreender, admirar a paciência e apenas mostrar que existe outra maneira de ser por inteiro que não seja se privando de tudo."


                                                       Tão clichê quanto verdade:


                                                      “É preciso amar as pessoas
                                                   Como se não houvesse amanhã
                                                          Por que se você parar
                                                                   Pra pensar
                                                            Na verdade não há...”



-como sempre Pâmela Facco diz tudo.




.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010



"Se tenho de ser fiel a alguém ou a alguma coisa, em primeiro lugar tenho de ser fiel a mim mesma. A pouca experiência de vida que tenho ensinou-me que ninguém é dono de nada, e isso vai dos bens materiais aos bens espirituais. Quem já perdeu alguma coisa que tinha como garantida (algo que já me aconteceu tantas vezes), acaba por aprender que nada lhe pertence. E se nada me pertence, não preciso gastar o meu tempo cuidando das coisas que não são minhas; é melhor viver como se hoje fosse o primeiro ou o último dia da minha vida."




 
-Paulo Coelho
 
 
 
.

domingo, 1 de agosto de 2010

de ti ...



"Nunca entendi direito a lógica dos meus passos, aí veio você e mostrou que conhecia o chão que ainda nem havia pisado. E compreendeu toda a insegurança das minhas pegadas, como se ouvisse cada pensamento que passa em minha mente, que estava gritando a tanto tempo, mas ninguém ouvia.
Escuta, não abro mão de você nem por todas as certezas e verdades, porque de você já sei bastante; não tudo, mas o suficiente. Esse mistério que te envolve, esse teu jeito que me envolve. Seu sorriso de canto de boca quando está chateado/cansado é o desenho mais perfeito que eu poderia traçar um dia, mas não me atrevo no momento.
O modo como não sei olhar de lado, entendo que talvez seja uma falha, mas espero das pessoas o melhor, - e o pior também - e quando não sou retribuída me afasto, me fecho. Também tem aquele meu lado conservador, romântico e ultrapassado, que não deixo transparecer, mas você sabe que ele está ali.
Consegue me entender? .. é que pensei demais em ti hoje, a vida é tão engraçada, você me faz feliz até de longe, até sem saber."



.

segunda-feira, 12 de julho de 2010


"E aquela tristeza que bate todo dia a noite antes de dormir? Pois é, fico sempre conversando com meus botões porque sempre a essa hora do dia eu fico meio triste. Me pergunto se é por carência, ou se é o fato de ninguém vir puxar assunto, nenhum telefonema, ou se é mesmo pelo fato de ser uma louca depressiva que imagina coisas. Não sei não. Pergunta difícil de ser respondida. Só sei que quando me sinto assim sempre chego na janela e fico olhando as estrelas, admirando a lua que sempre me fascina, cabeça fica nas nuvens. Ah! Como é bom viajar às vezes, nem que seja só em pensamentos. Daí volto e dou uma última olhada em meu celular só pra constatar que ninguém ligou, nenhuma mensagem, como sempre. Daí me recordo novamente porque fico triste. Dói não ser lembrada. Mas eis a questão: "será que tem alguém que sempre lembra de mim mas nunca me diz isso? ou realmente ninguém se lembra mesmo?" Sei lá, dou de ombros depois de lembrar e finjo não querer saber a resposta. Digo apenas a mim mesma: "Vai dormir, amanhã é outro dia." E deito na cama. Normalmente algumas lágrimas escorrem. E geralmente acordo e já é mesmo outro dia e não me lembro muito o que aconteceu no dia anterior. Procuro apagar a tristeza e a incerteza. Porque um dia há de se modificar essa rotina."



.
"Estou cansada de mim; cansada de tentar ser sempre o que eu desejo ser.
Estou cansada de obedecer meus impulsos, cansada da maneira que me tratam seja ela qual for.
Eu não suporto mais o descaso de quem sem perceber me fere. Eu suporto menos ainda o pouco caso daqueles que fingem uma atenção, fingem qualquer coisa. Dão-me migalhas que não alimentam e nem ao menos me matam, dexam-me doendo.
Eu não aguento mais chorar em silêncio para não atrapalhar a paz da noite dos outros.
Eu não quero mais minha garganta travando berros, vivendo entre nós e derramando lágrimas (Eu não entendo como não se acabam. Por que não seco?).
Tudo tem fim, menos o que eu sinto. Menos o que eu choro.
“Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas" Onde foi parar a regra da minha infância? Quem me cativou com tamanho brilho e crença jamais soube dessa regra (ou não soube olhar para mim).
Eu não sou capaz de me imaginar mais sozinha do que já estou.
Quem muda espaços dentro dos outros deveria saber que doi muito não termos mais o que tínhamos nem ficar com aquilo que foi plantado.
É um vazio infinito.
É o eco do silêncio.
É uma dor sem cor.
Um berro sem voz.
E uma constante ausência de vontade.
Estou em branco, apagada, amassada e esquecida em algum lugar que nem eu mesma sei onde fica.
Não há ninguém a encontrar aqui.
Eu não existo mais."




-Pâmela Facco




.

terça-feira, 6 de julho de 2010


 

"Não saber nada é melhor do que saber tudo. Gritar alto, com uma voz que ninguém ouve. Ver pessoas caídas ao chão tentando corrigir seus erros, mas só por esta noite, no topo do mundo, eu tento aguentar tudo cá dentro: sozinha."



.

quarta-feira, 30 de junho de 2010



"E lá estava ela mais uma vez saindo de fininho de outro relacionamento.
Um relacionamento que não havia sido nada, mas que já a deixara triste o suficiente. Preferiu acabar com ele antes que piorasse. Ele estava longe, ela era apenas sua amiga. Mas se perguntava ás vezes se acharia alguém melhor comparado a ele. No momento ele está em questão.
Talvez ela o queire, talvez ela precise dele, a perfeição não está em julgamento. Era os seus defeitos que a fascinava.
Algumas coisas sobre a quais eles não se falavam.
Algumas coisas que ela escondia dele.
Ela se sentia tornar gelo de novo.
Com sua falta de transparência, nada durava tempo o bastante . No começo acham algo interessante.Um mistério. Mas em seguida não suportam por muito tempo o modo de como não sabe se expressar, totalmente explícita. Isso a deixa de joelhos em frente ao espelho, com gotas de lágrimas escorrendo pelo rosto e caindo ao chão formando uma leve poça. Uma leve poça de lágrimas. Lágrimas de arrependimento por ser de tal jeito.
Sua mente embaralha.
Um momento de clareza. Forma-se uma pergunta em sua mente: "Será que um dia encontraria alguém que gostasse dela do jeito que é?" .. "Será, será, será?" .. Disse repetidas vezes esperando que alguém respondesse. Mas nada, ninguém a ouvia, ninguém sequer respondia.
Tudo o que vivenciava punha em palavras e guardava para mais tarde ler e ver como foi tola em acreditar em certos pontos. Tentava escrever um livro, mas nada saía, pois sua vida era tão monótona que boa parte do tempo não tinha nada o que contar, nada o que compartilhar com outras pessoas.
E ia assim, passando seus dias se lamentando de nunca dizer o que sentia para quem amava. Por medo. Por certeza de não ser correspondida. Por ser fraca o suficiente e permanecer calada. Um silêncio que gritava, mas ninguém ouvia."



.

terça-feira, 22 de junho de 2010




"Pode ser até que você seja mesmo bom pra mim , mas meu coração está tão acostumado com decepções e desilusões que , não me surpreenderia se você sorrisse com uma expressão até normal no rosto e disesse : ' você acredita mesmo em amor ?' , ou num gesto mais sutil , sumisse , e de forma delicada e , não menos dolorosa , apagasse cada sentimento no qual fiz questão de acreditar . E eu me pegaria novamente , e sem surpresa deitada na cama , lendo um livro , pensando em como preencher o vazio , novamente .
Tudo bem , eu posso até ser pessimista, não nego , vai ver que você seja mesmo bom pra mim , não desacredito , eu só não suporto a idéia de estar me apaixonando mesmo sabendo que isso ja aconteceu tantas vezes , e todas essas vezes eu acreditei."




-Lizandra Lima



.

quinta-feira, 13 de maio de 2010


 
"Acho pessoas insignificantes demais perto dos sonhos que venho a ter.Não suporto aqueles que acham que me contornam com mentirinhas tolas.Encontro minha raiz em sorrisos infantis voltando sempre à minha essência, eles estão sempre me confortando.Odeio ter de ser adulta e responsável, responsabilidade não se encontrava em meus planos.Me incomoda o fato de ter de acordar no meio da noite apenas para verificar meu celular.As festas não me satisfazem mais, acho sempre tão tolo o modo como as pessoas conseguem se divertir e eu fico apenas ali, parada, sem fazer nada, apenas observando, sem conseguir sequer me embebedar.O fato de você partir com certeza me estragou tudo.E quanto mais os dias passam, mais me certifico que já nada resta aqui dentro.Minha frieza está se tornando algo incalculável, minha fúria anda se esvairando por aí, machucando pessoas que costumava gostar.Hoje apenas deito na cama tentando dormir para ver se logo isso passa, e outro dia amanheça.Será preciso tempo para acertar as coisas novamente."





.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

"Ela sabia que havia chegado a hora da partida.Chega-se em uma etapa da vida em que tudo Acaba.Pode-se durar tempo demais ou tempo de menos, mas um dia sempre acaba.Acaba o perfume que tanto gosta, acaba o filme que em algumas horas te deu esperança, acaba também a esperança, acaba a fé.Até a fé, que muitos dizem ser inabalável ..  mas ser inabalável e não ser inacabável, este último é inexistente.Por isso a fé acaba se acabando.O que mais se acaba é aquele fogo que se sente por alguém, este se acaba de tempos em tempos, acaba também o seu olhar de alegria, e junto acabam-se as lágrimas.Pois um dia elas haverão de secar.E quando este dia chegar acaba-se você.


Ela sabia que sua hora havia chegado, suas lágrimas não escorriam mais .. Nem uma gota sequer."



.

terça-feira, 27 de abril de 2010

segunda-feira, 26 de abril de 2010



"Como eu desejo que você pudesse ver o potencial, o potencial de nós dois. É como um livro elegantemente encadernado, mas em uma língua que você ainda não pode ler, ainda não."



.


"Minhas vacilações são sempre errantes, não sei dialogar sem entrar em discursão, não sei me mostrar perfeita o tempo todo.Procuro sempre me manter afastada das coisas que não me acrescentam em nada.Busco serenidade nas coisas mais simples da vida, não quero muito, mas também não quero o pouco.Quero meus livros, meu chocolate quente, meus 'amigos' de estimação e quero uma janela totalmente escancarada com uma vista linda.O céu todo estrelado, a lua, as nuvens ... Avistando minha estrela favorita para mim está ok! .. Afinal o meu querer pouco acaba sendo muito."




.

"Não existe um acordo entre os meus pensamentos, então prefiro afasta-los. Impossível, no momento.
Quem pode dizer concretamente que o impossível não existe? É apenas uma questão de tentativas, lutar ou simplesmente deixar...
Se estiverem ao meu redor ao menos tentem me compreender, não preciso de teatros, apenas da realidade, independente se ela me ferir.
Eu quero és tu, não apenas teus braços.

Entretanto..."



.

segunda-feira, 19 de abril de 2010




"Menina que não se presava nem um pouco.Acabou por fim sozinha.Contava apenas com um anjo da guarda que se mostrava de quando em vez, era ela quem se escondia, situação trocada, totalmente invertida.Ela via seu anjo, mas ele nunca a via; tal acontecimento absurdo - ele o dizia.Guardava um nome em uma estrela, aquela mais próxima da lua quando é cheia.Acreditava que borboletas eram pétalas que voavam, e que lágrimas aliviavam a estiagem, quando tudo já estava seco por demais lá dentro.Tomava banho de chuva quando esta caía abundante, achava tudo da natureza uma maravilha.Colocava em papéis rabiscos de desenhos de tudo o que via e gostava, ou que as vezes presenciara e não gostara nem um pouco.Se não relacionava muito com as pessoas é porque não a encantava, era preciso encanto para florir, e pessoas que não o tinha, não poderiam nunca chegar aos seus pés.Era preciso ser flor."


.

domingo, 14 de março de 2010

Sweet Dreams.


"Dormindo penso nas coisas que poderia estar fazendo .. viajando .. conhecendo novos mundos .. novos horizontes .. adoro fantasiar pensando em um mundo onde todos tenham asas para sair flutuando por aí .. sonhando me vejo conhecendo lugar indescritíveis .. lugares surreais .. aqueles que só existem mesmo em meus sonhos .. me canso facilmente deste mundo .. basta dormir para ir pra outro lugar diferente .. aquele que só entram pessoas por minha vontade .. que existe criaturas mágicas de minha invenção .. onde acontece tudo do meu jeito .. sem ninguém me interromper .. sem ninguém me dizer como deve ser .. e por um sonho me sinto muito mais feliz,muito mais aliviada de saber que pelo menos por uma noite tudo será como imaginei .. e que basta minha vontade para tornar-lo real nesse meu outro mundo .. que não é perfeito .. mas é o que tenho que viver também .. e vivo com gosto .. esperando mudá-lo um dia .. e na verdade estou apenas sonhando acordada."



.

A sombra do vento ...



"Pela Falta de clareza,pela falta de entusiasmo,por amores que nunca foram amores.Pondo fim em tudo que não convém.Tudo com o objetivo de afogar as mágoas,tentando matar por dentro o que já não existe mais,tentando existir mas já é tarde demais.Caminhos tortos,curvas sinuosas,calor infernal,quem me dera se fosse para sempre inverno,quem me dera se fosse para sempre sozinha.Quem me dera se fosse apenas eu,o frio e meus livros."



.